terça-feira, março 20, 2018

OS QUE A FOME ESCORRAÇA (EM FATO DOMINGUEIRO)


As convulsões políticas, económicas e sociais do final do sec.XIX e do sec.XX levaram milhões de portugueses à emigração, numa diáspora que os espalhou pelo mundo.

Um desses destinos foi o Havai (antigas ilhas Sandwich), onde em 1914 residiam 25 mil portugueses, sobretudo provenientes das ilhas dos Açores e Madeira, trabalhando arduamente nos campos de cana-de-açúcar, agricultura e comercio. Note-se, que o famosos ukelele, mais não é que o nosso cavaquinho levado madeirense João Fernandes e que terá difundido pelos nativos dessas ilhas do pacifico.

Em 1911, a revista Ilustração Portuguesa dá notícia da partida de um milhar de alentejanos oriundos das serranias de Serpa e que rumaram ao Havai, aliciados por engajadores com promessas do paraíso na terra.

Para o objeto deste blog interessa sobretudo a qualidade das imagens e a fonte etnográfica que estas representam, por mostrarem um povo que deixa para trás tudo o que possui (muito pouco) e conhece e parte ao desconhecido, carregando os parcos pertences mas envergando as suas melhores roupas. Na realidade, as imagens retratam homens, mulheres e crianças nos seus trajos domingueiros, como quem vai para uma festa, pois para a maioria, esta terá sido a 1ª e única viagem.

Fica o registo fotográfico.







 

sábado, março 10, 2018

II Encontro "Falando de Etnografia" em Peniche

Iniciativa organizada pelo Município de Peniche , a Associação Folclorica da Região de Leiria e Alta Estremadura e o Rancho Folclórico de Geraldes. Uma actividade para engrandecer os conhecimentos dos folcloristas do nosso concelho. Certamente irá valer a pena!

(pormenor do fundo do cartaz: xaile recolhido em Geraldes pelo RFG)

domingo, janeiro 28, 2018

Trajes de Noiva I - Monsanto


O Casamento é um evento especial na vida de qualquer homem ou mulher, para além de todo o seu significado social, é sobretudo um dia de festa e o traje reflete esse momento de alegria.
Ao contrário de hoje, no final do sec. XIX, entre a classe popular não se casava de branco, o negro era sinónimo de sobriedade, nobreza, solenidade e como tal a cor predominante nestes e noutros momentos especiais da vida.
A imagem que vos trago hoje é o da noiva de Monsanto “a aldeia mais portuguesa de Portugal”, concelho de Idanha-a-Nova.
Destaca-se pelo uso da mantilha sobre a cabeça, também coberta por um veu ou lenço de seda, esse sim, branco.
Fotografia tirada na escadaria da Câmara Municipal de Castelo Branco. Em primeiro plano quatro mulheres vestidas com trajes regionais. O traje de noiva é o segundo.
Enquanto traje, pouco difere do de uso domingueiro das mulheres desta região


Trajes da Aldeia de Monsanto / Foto de Orlando Rego


segunda-feira, janeiro 08, 2018

quinta-feira, dezembro 28, 2017

CONVERSAS NO MUSEU – “Vestir por fora, vestir por dentro”


O Museu de História e Etnologia da Terra da Maia tem por vocação propiciar localmente o acesso à informação e à construção do conhecimento, Sensível aos estímulos da população maiata e à diversidade cultural.

 O Museu de História e Etnologia da Terra da Maia e, a sua vertente etnográfica e etnológica, estão vocacionados para a investigação e divulgação dos aspetos referentes à vida rural do concelho da Maia e, na sua vertente histórica, Investigar e divulgar a vivência das suas gentes num espaço territorial que é a “Terra da Maia”, a sua antiguidade como unidade sócio cultural e geográfica.

 Assim sendo, com estas “Conversas no Museu”, pretende-se dar continuidade ao que vem sendo feito, com amostragem das tipologias existentes no TRAJE – “Vestir por fora, vestir por dentro”, conservação preventiva e acondicionamento dos Bens Culturais em análise, assim como a tipologia de tecidos existentes na época (séc. XIX e meados do séc. XX), permitindo desta forma o alargar do conhecimento a todos quantos queiram apreender.

 Contamos com a presença de 3 estudiosos da área das Ciências Sociais e da História, para troca de conhecimentos adquiridos, de forma a contribuírem para o melhor entendimento sobre o passado em comunhão com o presente, e o respeito pelos ensinamentos que nos legaram de geração em geração, sobre a presença de um Povo, nesta imensa que é a Terra da Maia.

 

CONVERSAS NO MUSEU – “Vestir por fora, vestir por dentro”

Sábado, 27 de janeiro, pelas 14h30

Oradores:

Dr. Daniel Café.

 Dr. Ludgero Marques

Arq.º Gil Raro


Quinta da Gruta/Museu de História e Etnologia da Terra da Maia

Centro Histórico do Castêlo da Maia

Entrada livre